<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d17995268\x26blogName\x3d%C3%89+a+cultura,+est%C3%BApido!\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://cultura-estupido.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://cultura-estupido.blogspot.com/\x26vt\x3d-8193206143390702217', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

É a cultura, estúpido!

Na última quarta-feira do mês, no Jardim de Inverno do Teatro Municipal São Luiz.

Este é que é o Press Release:

O FUTURO DAS RELAÇÕES NO “É A CULTURA, ESTÚPIDO!”

Na próxima quarta-feira, dia 25 de Janeiro, pelas 18h30, no Jardim de Inverno do Teatro Municipal São Luiz, o “É a Cultura, Estúpido!” vai discutir O Futuro das Relações.
Ao invés de insistir no muito estafado confronto entre a esquerda e a direita, entre o modo liberal e o modo convencional de olhar as relações amorosas, convidámos duas pessoas de pensamento original sobre esta matéria: Isabel Leal (psicóloga) e Miguel Vale de Almeida (antropólogo). A sessão (livre) será moderada por Anabela Mota Ribeiro e o agente provocador será Nuno Artur Silva (que há anos co-escreveu um manifesto sobre o tema a que chamou «A elaboração dos acasos»).
ee cummings escreveu que a função do amor é criar desconhecimento. No próximo “É a Cultura, Estúpido!” vamos dissecar este e outros versos e especular sobre o futuro das relações amorosas. Falar da revelação, do
inesperado, da epifania que dá pelo nome de paixão, das diferentes formas de viver os afectos. A sós, a dois, a três, a quatro... Como vamos organizar-nos, agregar-nos, dar-nos, amar-nos no futuro? E o futuro, é já hoje?


« Home | Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »

» Enviar um comentário