<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d17995268\x26blogName\x3d%C3%89+a+cultura,+est%C3%BApido!\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://cultura-estupido.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://cultura-estupido.blogspot.com/\x26vt\x3d-8193206143390702217', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

É a cultura, estúpido!

Na última quarta-feira do mês, no Jardim de Inverno do Teatro Municipal São Luiz.

Prospectiva

«(...)Modernamente, chamamos à tentativa de prever o futuro "prospectiva". Mas em que é que consiste essa disciplina?
João Caraça - A propectiva é uma maneira de olhar para o futuro, um estudo do futuro. A propectiva pode ser definida como um conjunto de reflexões sobre situações que podem acontecer no futuro. Simplesmente, essa maneira de definir a prospectiva tem de ser vista do ponto de vista cognitivo, como uma disciplina, um saber, um conjunto de conhecimentos e atitudes que surgem numa dada altura com uma certa função. Penso que a prospectiva é antes de mais uma maneira extraordinariamente rica de iluminar o presente. A prospectiva serve para percebermos o presente, porque não podemos saber como é que o futuro vai acontecer.»


Entrevista publicada em «Portugal 2020», de Adelino Gomes, José Vítor Malheiros e Teresa de Sousa, Fenda, 1998.
« Home | Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »

» Enviar um comentário