<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d17995268\x26blogName\x3d%C3%89+a+cultura,+est%C3%BApido!\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://cultura-estupido.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://cultura-estupido.blogspot.com/\x26vt\x3d-8193206143390702217', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

É a cultura, estúpido!

Na última quarta-feira do mês, no Jardim de Inverno do Teatro Municipal São Luiz.

Ruído de fundo

«Gostaria de ver discutidas, numa perspectiva sociológica (passe o pretensiosismo), as mudanças estruturais verificadas no nosso país pelo aparecimento da televisão.
Em formato de memórias, posso acrescentar: quando era pequena (5, 6, 7 anos), aos domingos, durante o almoço, escutava-se na Emissora Nacional o "Domingo Sonoro". Mais tarde, durante as frequentes recidivas de febre reumática que me retinham na cama, deram-me um rádio de cabeceira. Aí escutava "o Zéquinha e a Lélé" ou "Poliana, a história de uma doentinha" (!). Assustei-me, como todos, com a transmissão da "guerra dos mundos".
Poucos anos mais tarde, a televisão chegou lá a casa, no Natal! Na sala colocámos cadeiras em formação de plateia. Só depois do jantar é que nos posicionávamos — víamos os fados, os concursos e os festivais. Era a família presente-ausente, só a ver, sem comentar. Tratava-se de uma televisão a preto e branco, com conteúdos cinzentos como o governo. Foi a televisão que informou sobre a guerra de África e a tomada da Índia — tinha lá um irmão... foi um desespero!
Em plena adolescência e até ao 25 de Abril, deixei de ver televisão.
Hoje, quando faço "zapping" através do tele-lixo, sinto uma insatisfação total e volto-me para outra caixa, mais luminosa, mais sedutora, mais à medida do meu desejo de conhecer, comunicar, aprender. Sempre que preciso de recomeçar — retroceder para refrescar, repescar informação ou observar melhor, volto atrás. Impossível fazê-lo na televisão tal como agora a temos — serviço básico de TV cabo.
Agora, a caixa que tanto nos maravilhou serve de ruído de fundo na chegada a casa. Depois, pela noite dentro, é destronada pelo CD. Muitas vezes, o "biography channel" serve de tranquilizante. Nada melhor do que a "Saga dos Romanoff" para dormir no emaranhado de famílias reais destituídas de poder, cheias de brilho decadente, numa sociedade chamada de globalizada, onde a desigualdade é cada vez mais desigual.»

(Teresa de Campos Moraes, 57 anos)
« Home | Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »

10:40 da tarde

A minha pergunta não tem a ver com o seu comentário, que, contudo, perfilho enteiramente... Chama-se Teresa Sónia?    



» Enviar um comentário